30.8.15

Street Parade, a festa Techno de Zurique

A Street Parade já é icônica. Todos os anos, no final do mês de agosto, milhares de pessoas se reunem em Zurique para curtir uma das grandes festas de música eletrônica da Europa. A festa acontece ao redor do lago de Zurique, onde os carros de som vão circulando e pondo a galera pra dançar. Este ano a Street aconteceu ontem, dia 29 de agosto.

A primeira Street Parade aconteceu no ano de 1992, por iniciativa do estudante de matemática Marek Krynski. Ela foi aprovada oficialmente como uma festa para demonstração de amor, paz, liberdade, generosidade e tolerância. A primeira parada chegou a no máximo duas mil pessoas. Hoje a Street Parade recebe cerca de um milhão de pessoas e tornou-se um importante evento para a cidade de Zurique. (fonte Wikipedia)

Esse ano eu não fui na Street Parade, mas fui em anos anteriores e confesso que estive na festa mais pela facilidade e oportunidade - já que eu morava somente a poucas quadras do evento - do que por propriamente gostar de música eletrônica. 

A festa deste ano foi marcada pela presença de mais de 200 DJ's e começou às 13:00 hs. Uma carreata de 30 carros eletrônicos adaptados com plataformas dançantes fizeram parte da festa.



O tema da Street este ano foi "Magic Moments". A festa trouxe um milhão de "ravers" para Zurique, (um recorde de público desde 2001), que acompanharam o som dos carros eletrônicos em um dia quente de verão.


A festa em si não muda muito, pelo menos eu tive essa impressão. Muda os carros eletrônicos e o tema da festa, obviamente. Mas, comparando com as fotos que eu tenho dos anos em que fui, com as deste ano que vi na mídia, a "vibe" permanece a mesma: ALEGRIA. E vale para quem realmente vai para a festa para curtir, não para "barbarizar", no sentido literal mesmo da palavra.

Embora eu não goste de festa eletrônica e nem de festas onde grandes multidões se acotovelam se reunem, como o carnaval de rua ou a Street Parade, por exemplo, até que é divertido ver os tipos que comparecem a eventos deste tipo.

Foto: Keystone

Foto: Arnd Wiegmann / Keystone
Com esse "mundo" de gente, é claro que alguns problemas inevitavelmente ocorrem, muitos deles associados ao uso de álcool e drogas. Foram registradas algumas ocorrências mais graves, como um homem que se atirou no rio e foi ferido pela hélice de um barco e está no hospital em estado grave, como roubos, porte ilegal de armas e a apreensão de mais de 400 comprimidos de extase. Mesmo assim, pelo tamanho da festa, o saldo do evento foi positivo, segundo a polícia de Zurique. 

O que eu não gosto mesmo são dos bêbados e dos vândalos que sempre aparecem em festas deste tipo. Pessoas que perdem o controle por estarem em uma festa e abusam de bebidas e saem vandalizando o que vêem pela frente. Fora isso a Street Parade é uma festa que movimenta a economia de Zurique e já faz parte do calendário de turismo da cidade.
Continue lendo ››

28.8.15

Grandson, às margens do lago de Neuchatel

Grandson está localizada na região de Yverdon-les-Bains e está debruçada sobre o Lago de Neuchatel. Ela faz parte do triângulo de cidades que se encontram bem próximas e que eu visitei recentemente: Grandson, Estavayer le Lac e Yverdon les Bains. Três cidades que ficam bem perto uma da outra e que são lindinhas. É bem possível visitá-las em um só dia, claro que somente se no seu roteiro não estiver incluido visitas a museus, castelos, compras ou etc...


O lago de Neuchatel é o maior lago inteiramente na Suíça e suas margens são rodeadas por cidadezinhas e castelos medievais, como, por exemplo, Grandson.


Caminhos estreitam e tortuosos te levam em direção ao lago...



Fica difícil escrever sobre as cidades que margeiam os lagos suíços sem cair nos clichês de "que beleza", "que lindo", "que água mais cristalina" e etc... mas é isso mesmo, não consigo encontrar outros adjetivos para descrevê-las, rs.... É daquelas cidadezinhas que acabam surpreendendo mesmo pela calmaria e monotonia. Um repouso...

A cidade e o seu castelo medieval do século XII, que abrigou a ordem dos Cavaleiros Templários

O castelo, listado como monumento de interesse nacional, possui uma coleção de armas e armaduras, tendo sido o quartel general durante as guerras de Burgundy contra Carlos, o Temerário. Eu li estas informações no panfleto de informações turísticas. Já era um pouco tarde quando chegamos a Grandson e achamos que não compensaria pagar a entrada para passar pouco tempo lá dentro, já que já eram quase cinco da tarde e o castelo fecha as seis.

Grandson acaba sendo uma paradinha estratégica para quem circula na região de Neuchatel, já que ela está a caminho desta cidade.


Casas antigas, ruas calmíssimas, o lago e um castelo compõe o cenário da cidade. É um daqueles lugares que de tão tranquilos, parece que não tem ninguém morando...


Eu tenho impressão que cidades como Grandson, seriam um set de filmagens perfeito para filmes que retratem a era medieval. Somente que precisariam trazer todos os figurantes, porque estando lá, eu consigo contar nos dedos quantas pessoas eu vi circulando pelas ruas...rs...

E nesta calmaria encerramos o dia em Grandson.


Continue lendo ››

23.8.15

Yverdon les Bains

O dia em Yverdon estava lindo! Um dos poucos dias de verão onde realmente foi possível caminhar pelas ruas sem derreter por causa do terrível "Hitze" (calor) que permaneceu por aqui durante quase todos os dias do verão suíço. Ainda bem que passou.


A pequena cidade de Yverdon les Bains é a capital do Distrito de Jura-Nord e está situada no cantão de Vaud.  A cidade tem cerca de trinta mil habitantes e está localizada a poucos minutos de Estavayer le Lac, sendo possível visitar essas duas cidades em um só dia.


Yverdon é também conhecida por ter sido lá que o pedagogo suíço Johann Heinrich Pestalozzi, administrou um instituto de educação para crianças pobres entre os anos de 1805 e 1825. Como bem sabemos, o método Pestalozzi de educação tornou-se referência mundial, sendo utilizado até os dias de hoje.

Estátua no centro de Yverdon em homenagem a Pestalozzi
Além disso, a cidade é conhecida pelos seus spas com águas termais ricas em enxofre e magnésio, que sanam as dores e dão alívio àqueles que vão buscar a cura através das águas. 

Assim como em outras cidades suíças, as referências à era medieval também estão presentes em Yverdon, como o castelo de Sabóia datado do século XIII e que ocupa um lugar de destaque no centro histórico da cidade.



No decorrer dos séculos a cidade e a região tiveram muitas possessões, pertencendo ao clã dos Savoy, depois passando pelos Berneses (de Berna), até finalmente estarem em mãos valdenses (Vaud). A história é longa e eu não sou a pessoa mais indicada e nem vou me atrever a explanar sobre ela aqui. Sorry :-).


Diferente de Estavayer le lac, o centro de Yverdon é bem mais movimentado, com lojas mais conhecidas e também com mais gente circulando.


 
Achei o centro, apesar de pequeno, bem charmosinho com suas pitorescas casinhas com flores enfeitando as janelas.


A cidade ainda abriga um museu de moda (que eu não visitei), além do primeiro museu de ficção científica da Europa.








Eu costumo dizer que a Suíça é um outro país no verão. Quem visitar cidades como Yverdon, por exemplo, no inverno, talvez se entedie, principalmente se estiver acostumado com o conceito de agitação de cidades (mesmo as pequenas) brasileiras.

No verão se vê muita gente nas ruas, os cafés lotam quando colocam as mesas nas calçadas e se percebe até uma certa agitação pelas ruas. Já no inverno, tudo isso muda e as cidades pequenas parecem que hibernam. Então, esteja pronto para essas diferenças.

Algumas vezes este blog pode até passar a impressão de que a Suíça é vista por mim como um "paraíso". Mas isto está longeee de ser uma verdade. Entretanto é com muito prazer que eu escrevo aqui e tento mostrar um pouco deste país que eu aprendi a gostar e admirar. Talvez isso deixe uma impressão equivocada de deslumbramento e/ou encantamento sem fim, rs... mas a maneira que eu escolhi levar a vida é sendo feliz e tentando, na medida do possível, desfrutar ao máximo dos momentos, das boas pessoas e dos lugares que eu visito. Obrigada a todos por continuarem acompanhando o blog :-). Vocês são todos bem vindos.
Um grande abraço!!


Continue lendo ››

10.8.15

Os jardins e a jardinagem na Suíça

Quando eu morei no centro de Zurique, nosso apartamento tinha uma pequena sacada que eu, eventualmente decorava com algum vasinho de flor durante o verão. Entretanto, nesta época, eu não percebia tanto assim a influência da jardinagem entre os suíços.

Claro que se você for caminhando pelo centro das cidades e observando as casas de comércio e até mesmo as sacadinhas dos apartamentos, você vai notar flores, plantas e as vezes até algum arbusto exótico as decorando. Provavelmente, se a varanda estiver totalmente vazia, ali more um homem solteiro, que não liga para "essas coisas", rs...

Decoração de janela bem "exótica". Com cactus eu nunca tinha visto.


Mesmo com o inverno rigoroso que temos aqui, o curioso é que muitas pessoas adoram cultivar plantas, mesmo que as vezes nem um espaço para isso tenham. Neste caso elas recorrem a um jardim de aluguel! Sim, é possível alugar um pedacinho de terra, onde se pode plantar flores, cultivar uma horta, plantar frutas e o que mais sua imaginação e o espaço do terreno permitirem. Esse tipo de jardim se chama Schrebergarten em alemão, e existe em várias partes do país. Mas, não pense que é tão fácil alugar esse tipo de espaço. Há concorrência e lista de espera por uma vaga!

Um tipo de Schrebergarten: engraçado que no começo, logo que eu visitei a Suíça pela primeira vez eu achei que esses jardins fossem algo como uma "favelinha", hahahaha.... devido as casinhas serem tão pequenas e de madeira.
Schrebergarten in Zürich-Affoltern. Foto: Wikimedia, Roland zh
Hoje, morando fora do centro da cidade, eu já consigo notar bem mais como a jardinagem faz parte da vida de muitas pessoas neste país, inclusive tem até feito parte até da minha, já que agora eu tenho espaço para ter vasos com flores e até para as minhas tulipas. Também me animei e fiz a minha própria hortinha, agora eu tenho temperos frescos para cozinhar!
Esta foi a primeira foto que eu bati desde quando fiz essa hortinha.
Hoje ela já está bem maior. Lá eu tenho cebolinha, manjericão, alecrim, hortelã, salsinha e tomilho
Você nem precisa sair totalmente da zona urbana das cidades, basta caminhar um pouco por alguma área mais residencial que você já vai começar a se deparar com jardins e varandas bonitos e bem cuidados.

Algumas casinhas da redondeza de onde eu moro
Jardim da sogra

Aqui há grandes "Gartencenters" (como por exemplo o Zulauf e o Huplant) que são verdadeiros paraísos para quem gosta de jardinagem em geral, e mesmo para quem não gosta, é difícil não se encantar com a multiplicidade de plantas e flores e até com os objetos de decoração para varandas e jardins que há nestes lugares durante a primavera-verão.



Muita variedade de flores, plantas e até jardins temáticos, como o japonês, que cultiva o Bonsai.


O comércio se prepara muito bem para essa temporada, oferecendo tudo quando é tipo de apetrecho para jardim e jardinagem. Lojas como o Jumbo ou o OBI (que são uma espécie de Leroy Merlin) também têm muitas coisas para jardinagem, decoração e móveis para varandas e jardins.


Até supermercados, como o Migros ou o COOP, costumam ter quioques que vendem vasos, pequenas flores ou arbustos para jardins e sacadas.

Perto de casa tem um local que produz e vende flores e pequenas plantas. Mesmo nos finais de semana, quando esse comércio fecha, as flores ficam todas do lado de fora. Os donos da loja não as recolhem, porque ninguém mexe, vandaliza ou rouba. Não é incrível?! Ou melhor, deveria ser normal esse tipo de coisa não?!


Depois de um longo inverno, não há nada mais agradável do que se deparar com o verde novamente e com flores que tornam a vida tão mais alegre e colorida. A jardinagem é um hobby que tem muitos adeptos por aqui e com certeza é uma atividade relaxante, além de ser gratificante ver que o que você plantou está ganhando vida.

Continue lendo ››

9.8.15

Estavayer le Lac

Quem acompanha o blog já deve ter percebido que os últimos posts foram sobre algumas cidades da parte francesa do país. Embora eu até já tenha escrito sobre esta parte da Suíça em posts aqui, aqui e aqui e em outros mais, esse é um pedaço do país que nós não visitamos com tanta frequência e eu nem sei direito o porque.

É uma região muito bonita, tendo muitas cidades banhadas por lagos e com arquitetura e culinária diferenciada da parte alemã da Suíça.


Estavayer le Lac nem fica assim tão longe de casa e foi uma surpresa descobrir essa cidadezinha tão linda banhada pelo lago de Neuchatel.



Localizada no cantão de Fribourg, Estavayer le Lac tem um pouco mais de 6000 habitantes. A cidade está localizada a aproximadamente 30km de Murten e rende um bate-volta até lá também.
 
Assim como em Murten, a arquitetura de Estavayer é predominantemente medieval e está muito bem preservada.


A cidade conta ainda com muitas casas antigas e até com um certo ar decadente, mas que, no contexto de Estavayer, só as tornam ainda mais charmosas.



O centro da cidade é muito tranquilo, com poucas lojas, mas com alguns cafés e restaurantes. Eu acredito que quem more em Estavayer le Lac deva acabar indo para as cidades maiores para trabalhar, fazer compras e encontrar serviços mais específicos. Acho que é uma vida bem interiorana mesmo, no melhor sentido da palavra.


"Acredita-se que Estavayer tenha sido fundada no século XII pelo bispo de Lausanne. A história inicial da cidade está fortemente ligada à da família de nobres von Stäffis (em francês: d’Estavayer). Essa família dominou a região de Estavayer e dividiu-se, em meados do século XII, em duas linhagens, mais tarde em três. As três linhagens permaneceram em Estavayer,  por isso, a cidade possuía três castelos na Idade Média. O primeiro castelo foi o Motte-Châtel no oeste do centro histórico (hoje não mais existente), o segundo encontrava-se no sudeste (acredita-se que o Tour de Savoie pertencesse a esse castelo), e o terceiro e mais novo castelo é o atual Château des Chenaux. Em termos territoriais, o poder de Estavayer não dividia-se estritamente em três partes, e, sim, obedecia a uma administração conjunta dos três senhores."  Fonte Wikipedia.


Parece que a vida passa bem devagar por aqui...




Como não poderia deixar de ser, o ponto alto da visita à cidade é o castelo Chenaux que data do século XIV.


O castelo é da era medieval e os seus arredores podem ser  percorridos a pé, sendo que de um dos lados do castelo se tem uma bela vista da cidade e do lago.

 

Na mesma área do castelo funciona também "La Prefecture et Service Financiere" de Estavayer le Lac, que se destaca das demais prefeituras de outras cidades, por estar praticamente "no quintal" do castelo. Que maravilha trabalhar em um lugar assim, hein?!


Fora isso, a cidade oferece nas proximidades do lago, serviços de camping e atividades aquáticas para quem quiser curtir o verão, que vou te contar, esse ano está fogo - literalmente - que verão quente, meu Deus!!

Vou me organizar para escrever mais posts de outras lindas cidadezinhas desta região. Há algumas semanas atrás fizemos um mini tour pela Suíça francesa, então, aguardem :-).
Continue lendo ››

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...